Curiosidades e mitos da mecânica de caminhões

Óleo ajuda a preservar o chassi do caminhão? E será que descer em ponto morto é bom para economizar combustível? No artigo a seguir, veremos alguns mitos sobre a mecânica de caminhões; e como isso pode influenciar no funcionamento do mesmo.

Já parou para pensar na quantidade de coisas que acabamos fazendo na mecânica de caminhões apenas porque “todo mundo faz assim”? Algumas vezes funcionam. Outras, nem tanto.

Há conselhos populares que têm algum fundamento – depois acabam até sendo comprovados pela ciência. Mas há aqueles que carecem de qualquer razão.

Na mecânica, o cenário é parecido.

Há tantos macetes ensinados pelo colega de firma ou pelo Youtuber que dá altas dicas em um canal temático… que simplesmente não conseguimos saber, por certo, o que é verdade ou mito.

Contudo, quando falamos do nosso bom e velho companheiro, o caminhão, não podemos confiar em conselhos aleatórios. Precisamos checar a informação. Ou correremos o risco de prejudicar o bom funcionamento da nossa principal ferramenta de trabalho.

Mitos mais comuns da mecânica de caminhões

Ligar o caminhão 15 minutos antes de sair

Dizem por aí que, antes de pegarmos estrada, o ideal é deixar o caminhão esquentando durante uns 15 minutos. Assim – garantem – ele fluirá melhor na pista. Em parte, essa ideia é verdadeira, pois antes da injeção eletrônica, de fato, aquecer o motor era recomendável. O procedimento adiantava a circulação dos fluidos pelo motor e demais peças, e isso era positivo do ponto de vista da eficiência.

Mas da década de 80 pra cá, os caminhões passaram a ter sistema de injeção eletrônica. E isso aprimorou todos os sistemas internos de funcionamento do veículo.

As montagens dos motores passaram a ser muito mais precisas. Os materiais utilizados na fabricação dos mesmos também melhoraram significativamente. Por fim, os lubrificantes também evoluíram e, na atualidade, são bem mais eficientes.

Por todas essas razões, hoje em dia podemos assegurar que ligar o caminhão previamente, só para aquecer o motor, de modo que ele funcione melhor, é um mito.

Contudo, para zelar pela mecânica de caminhões, é interessante ligar o motor uns três minutos antes da partida para encher os sistemas de freio e ar.

Retirar a válvula termostática

Outro papo recorrente é que podemos retirar a válvula termostática sem prejuízo. A verdade é que essa válvula ajuda a regular o fluxo de líquido do sistema de arrefecimento.

Quando o motor está frio, ela trava e mantém o líquido de arrefecimento circulando somente dentro do motor. Isso faz com que ele esquente mais rápido.

Quando a temperatura começa a aumentar, então, ela destrava e libera o líquido para que ele circule também no radiador. Daí a temperatura passa a cair novamente.

Essa circulação ordenada, mediada pela válvula, garante a temperatura ideal.

Ficar em ponto morto (desengrenado) economiza

Também falam que deixar o possante na banguela, desengrenado, é garantia de economia. Na verdade, ocorre bem o contrário. Em ponto morto, os bicos injetores “querem” manter o giro do motor e, para isso, permanecem dispensando combustível. O gasto continua.

Os sistemas de injeção atuais conseguem reconhecer quando o motorista, engrenado, não está acelerando. Como resultado, reduzem, ou mesmo zeram, o consumo nesta situação.

Óleo de mamona no chassi

Essa aqui muita gente acha que é verdade: passar óleo de mamona no chassi ajuda a prevenir ferrugens.

Pra começar, a pintura do chassi é feita com tinta anticorrosiva. Isso, por si só, já dispensaria o uso do óleo.

Além de não trazer nenhum efeito prático, benéfico, ao caminhão, aplicar óleo de mamona no chassi pode: ressecar as peças emborrachadas, danificando-as; propiciar grande acúmulo de sujeira no local; e, de brinde, ainda criar uma pasta espessa, suja, de difícil remoção.

Lembre-se: a tinta do chassi já resolve tudo isso.

O que realmente faz bem na mecânica de caminhões

O sistema de arrefecimento melhora se usarmos um aditivo?

Sim, melhora. Ele altera os componentes da água, otimizando processos de vaporização e congelamento. E ainda tem mais um benefício: diminui o processo de corrosão.

O pneu precisa estar frio quando vai ser calibrado?

Sim, precisa. A temperatura ideal do pneu, ao ser calibrado, é de 21º C. Mas os pneus sempre aquecem quando estão rodando. Isso ocorre em função do atrito com a estrada. Aquecido, a pressão interna aumenta, uma vez que toda massa, ao esquentar, se expande.

Se você for calibrar após rodar alguns quilômetros, pode ser que ao equipamento informe que o pneu já está “ok”, mas, na verdade ele ainda precisaria de um reforço, mais ar.

Tente calibrar o pneu 4 horas após a parada do caminhão.

No asfalto, prudência total

Pronto! Agora que você já desmistificou algumas informações que correm por aí, mas que não passam de mito, podemos seguir adiante com muito mais segurança.

Além dos tópicos elencados acima, alguns outros cuidados também são importantes: respeite os limites de carga do seu caminhão; ande sempre nos limites de velocidade; esteja atendo aos sinais… Como diz o ditado, “o caminhão fala conosco o tempo todo”.

Finalmente, na dúvida, busque um especialista.

O barato, na maior parte das vezes, pode acabar custando muito caro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *